Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

de costas pr'ó mar

Mariana Sofia

Qui | 28.12.17

2017, o balanço final

porto_covo1.jpg

Está quase. 2017 está mesmo a chegar ao fim. É agora altura de refletir sobre aquele que foi mais um ciclo de aprendizagens e superações. É agora altura de fazer um balanço final sobre o que de melhor aconteceu. E sobre aquilo que, por uma razão ou por outra, não aconteceu.

 

2017 foi o meu ano. Os bons momentos superam, a todos os níveis, os menos bons. E, se os momentos mais especiais me deixaram com um sorriso de orelha a orelha e, por vezes, bem tímido, os momentos menos bons serviram para aprendermos que nem tudo corre bem. Não acontece só ao nosso vizinho ou àquele conhecido a quem desejamos um feliz aniversário. É preciso andar atento a todos os sinais do nosso corpo, ele nunca se engana e nós falhamos para com ele. Mas, fora este percalço mesmo na reta final, 2017 foi um ano em cheio.

 

* Já tenho a carta de condução. Faz, no próximo dia 31 de janeiro, 1 ano que fiquei habilitada a ocupar as estradas portuguesas. Nas outras só me aventurarei a pé. Confesso-vos que nunca pensei que teria estaleca para conduzir. Afinal tenho, mas o stress também está sempre presente. Acho que estará sempre.

 

* Desde há muito que não festejava o meu aniversário com as minhas pessoas todas. Com os meus amores maiores, os meus pais. E com os meus amigos e primas. Éramos poucos, mas os suficientes para me fazerem feliz, naquele que é o meu dia.

 

* O verão é um amor para a vida toda. E verão sem praia, não é verão. Pode ser uma qualquer, mas as nossas praias do sul são as melhores. O destino deste verão foi rumar até Armação de Pêra, sítio onde já fui tão feliz em pequena. E sitio onde fui muito feliz este ano. Foi o merecido descanso dos guerreiros. E aquelas bolas de Berlim, ai.

 

* Um dos momentos mais emotivos deste ano foi a Queima da Fitas. Fartei-me de chorar. Por todos os que me acompanharam neste percurso, mas também por aqueles que fui perdendo pelo caminho. Foram 3 anos recheados de bons momentos. De muitos risos e sorrisos, de muitas lágrimas contidas e muitas mais derramadas. Muitas horas de sono perdidas, mas nunca uma direta. Nem uma única bebedeira. E fui muito feliz, acreditem.

 

* E, como acho que ainda sei pouco, decidi concorrer para o Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação. Ramo de Media e Jornalismo. Entrei e, neste momento, rezo ainda mais para conseguir entregar todos os trabalhos a tempo. Não é fácil, mas se assim o fosse, não acrescentava nada de novo. E não, não vamos rumar ao doutoramento. Eu preciso de repor a minha sanidade mental, s.f.f.

 

* 2017 foi ainda o ano de me estrear nos festivais de verão. O eleito foi o Sol da Caparica, com aquela amiga ainda mais maluca do que eu e que alinha em tudo aquilo que lhe proponho (vá, quase tudo). Um festival muito bem organizado, com um conceito excelente, que superou todas as minhas expectativas.

 

* É difícil fazer o balanço de 2017 sem voltar a referir que este foi um ano de barriga cheia. Foram muitos os sítios onde comi espetacularmente bem, mas não tantos quanto queria. Há muitos sítios onde quero voltar, outros onde vou querer ir e provar tudo o que a carta contempla.

 

* O melhor destino de 2017 foi Roma. Poder viajar novamente, foi como uma lufada de ar fresco. Itália sempre foi um dos meus destinos de sonho. Roma foi o primeiro destino e proporcionou-me o melhor fim de verão que poderia ter imaginado. E a comida italiana é mesmo a melhor.

 

2018, estou pronta para te receber. Só te peço me que dupliques as alegrias que tive durante 2017 e que sejas ainda melhor e mais saboroso. Ah, e se não for pedir muito, reserva-me um grande amor, com uma paixão avassaladora. Estou mesmo a precisar!

beijinhos **

Não se esqueçam que estamos no instagramfacebook e bloglovin'. 

12 comentários

Comentar post