Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

de costas pr'ó mar

Mariana Sofia

Seg | 20.08.18

O Sol da Caparica, 2.0

Há quem diga que devemos voltar aos locais onde já fomos muito felizes. E na verdade, não podiam estar mais certos. Não importa o onde, porque no fim só podemos estar gratos por podermos recordar o quão felizes já fomos naquele sítio; sem nunca nos esquecermos que recordar também é viver. E quando temos a sorte de poder partilhar estes momentos com as nossas pessoas, o sentimento de gratidão e felicidade é ainda maior.

agosto11.jpg

O Sol da Caparica já conta com 4 edições, sempre com todos os dias esgotados (se não estou em erro!). E, se o ano passado fui aos 3 dias de festival, acampei e conheci todo o conceito do festival, tendo a sorte de ouvir alguns dos artistas que fazem parte da minha playlist; este ano, com apenas um dia de festival, comprovei que o mau é mesmo começar. A minha presença em festivais de verão começa a ser assídua. E que bem que me sinto quando posso partilhar esta experiência com os meus.

 

Poucos são os artistas que sentem a música que fazem. E são ainda menos aqueles que transmitem aquilo que sentem ao público que têm diante dos seus olhos. A Carolina Deslandes fê-lo na perfeição. Foi incrível a forma como ela nos abriu as portas da sua Casa, e nos mostrou que o amor para a vida toda ainda existe. Basta apenas que lutemos por ele. E que acreditemos nele. A forma como a Carolina constrói os seus aviões de papel demonstram a força que tem para sonhar, acreditar e fazer acontecer. A Carolina deu-nos um bocadinho de si, naquele que foi o melhor concerto a que já assisti.

 

15 minutos depois os Amor Electro mostraram-me que as expectativas devem sempre ser superadas. A Marisa Liz transmitiu toda a sua força e garra durante mais de 45 minutos de concerto. E porque juntos somos mais fortes, a Marisa conseguiu a proeza de unir o público num só.  A miúda do café, que cantou muitos anos em bares, mostrou que as nossas fraquezas podem ser as nossas certezas, e que são elas que não permitem que a máquina pare. Além de tudo isso, é sempre bom partilharmos os bons momentos com o nosso amor maior, mesmo ao pé de um mar salgado que nos faz sorrir, todos os dias.

summer26.jpg

beijinhos **

Não se esqueçam que estamos no instagramfacebook e bloglovin'.

 

6 comentários

Comentar post