Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

de costas pr'ó mar

Mariana Sofia

Dom | 14.06.20

Review // O Tatuador de Auschwitz

~ com 4 ⭐︎

TatuadorAuschwitz2.JPG

Sobre a literatura relacionada com aquele que terá sido o maior e mais horrendo crime humanitário que já teve lugar na história da humanidade, confesso que tenho alguma dificuldade em ler os livros classificados como romances. Porque, é-me difícil interiorizar como é que se romanceia aquilo que terá sido a sobrevivência no Holocausto. Mas, não é por isso, que não lhes dou uma oportunidade. Especialmente, se forem baseados em histórias de vida reais.

 

O Tatuador de Auschwitz, baseado na história de vida de Lale Sokolov, oferece-nos um rosto e uma voz, o tatuador no campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau. O relato de amor e sobrevivência, tendo como pano de fundo, uma guerra e como palco, um campo de concentração, onde é um dos prisioneiros que tira a identidade dos restantes, marcando-os apenas com números. Mais uma vez, são as recordações intensas e emocionantes dos sobreviventes do Holocausto que nos revelam que o melhor do comportamento e espírito humano conseguem superar-se perante os atos de violência intencionais e desumanos.

 

Sobre a narrativa, em 1942, Lale Sokolov chega ao campo de concentração de Auschwitz-Birkenau. A força e vontade de resistir a mais um dia ditam as regras de sobrevivência. É Lale quem marca todos os prisioneiros que ali chegam, com uma sequência de números no braço, dando continuidade àquele que se tornou um dos símbolos mais marcantes do Holocausto. E, à espera na fila, encontra-se Gita, aterrorizada e a tremer. Para Lale foi amor à primeira vista e, por isso, fará o possível, o impossível e o inconcebível não só pela sua própria sobrevivência como pela de Gita.

 

O Tatuador de Auschwitz é a história de duas pessoas normais a viverem tempos anormais, privadas não só da liberdade mas também da dignidade, do nome e da identidade, e é também o relato, pela voz de Lale, do que ambas tiveram de fazer para sobreviver.”

beijinhos **